sábado, 1 de janeiro de 2011

A vitória da minha bandeira

"Lula é o verdadeiro introdutor da democracia no Brasil."
(Eric Hobsbawm)

Eu nem podia votar na época que comecei a me interessar por essa figura popular. Era ano de 2002, tinha eu meus 13 anos e cursava a 7ª série do ensino fundamental de um colégio particular no interior do estado do Rio Grande do Norte. A influência paterna pela posição partidária petista e pela admiração a um operário apontado como comunista e que sujaria a honra nacional com seu analfabetismo ao poucos despertava meu interesse ao que muitos olhavam torto.
Eu nem podia votar, mas algo me dizia que ali tinha algo que iria dar certo. Andava eu com adesivos e demais símbolos do PT e de Lula pelo colégio, até que um dia a bandeira petista irritou os olhos de umas madames desocupadas da elite caicoense e a força de manifestação de uma menina de 13 anos foi sumindo e sendo coergida a dobrar aquela manifestação silenciosa por quem achava que podia ter alguma autoridade. Em silêncio eu estava e em silêncio continuei, mas ainda me restava um broche, em formato de estrela vermelha, preso a gola pólo da farda. Uma estrela que simbolizava o poder que jamais se apagaria no peito de alguém que nem podia votar.

Assistia as ondas de campanhas, as intrigas e insultos e ao desespero da oposição, e mais tarde assisti a vitória daquela bandeira que teve que ser fechada pisar no orgulho das madames mal amadas.
Os anos se passaram e tudo foi normalizando, até que em abril de 2006 me veio às mãos um documento que me fez erguer em sentido de: "nunca mais aquela bandeira será fechada." A campanha começou logo cedo, em julho de 2006. Estava eu com 17 anos e ainda no mesmo colégio particular, mas já cursando o ultimo ano e tendo noções mais claras do que eu deveria praticar em outubro. Estava ansiosa, minhas mãos suavam frias e eu olhava para todos os lados daquela sala de desconhecidos, tive tanto medo que nem usei a estrelinha e fiquei lá no meu canto fingindo está tudo bem e esperando o momento de me dirigir à urna eletrônica. Tinha dúvidas se estava fazendo a coisa certa, mas ao final do voto quando vi pela primeira vez o sorriso de Lula aparecer na tela depois daquele 13, senti que algo estava certo. Sorri também com ele e me despedi daquele momento apertando a confirmação do meu direito democrático. A primeira vez em que ninguém conseguiria fechar a minha bandeira que agora estava escancarada na alegria de votar pela primeira vez. Veio acompanhado de um suspiro de alivio e logo encontrei meu influente companheiro na saída da minha sessão.
A reeleição do baixinho foi ainda mais fácil, e mais fácil ainda no segundo turno. Ele passou por muito pepino chato, eu vi, mas isso é coisa que todo líder político passa. Mas o que vi mais ainda é que o Brasil não se afundou, sobreviveu crises e lutou bastante. Com isso, o operário, analfabeto, não-concursado e muito menos com diplomado ou doutor deu certo. Agradou ou não gregos e troianos, mas no fim cada uma teve seu pedaço do bolo.
Em 2010 lutei para que a fórmula continuasse dando certo, gastei minha saliva e até exclui alguns ignorantes pelo caminho, mas mais uma vez deu certo. Elegi uma mulher que só trouxe bons exemplos, que não era a analfabeta operária, mas que foi acusada anos atrás de ser inimiga do Brasil por protestar em favor da democracia. Se chamada de terrorista foi, então foi com muita honra e virtude, pois o terrorista daquele tempo era o que apanhava por um Brasil livre e democrático. Por isso considero o voto um mecanismo tão importante, já que tantas pessoas deram seu suor e sangue para que se fosse atingido esse total Estado de Democracia.
Em 2010 tentaram abafar minha bandeira também, tentaram calar meu manifesto, mas só tentaram. De 2006 em diante eu senti que ninguém jamais iria conseguir calar meu direito democrático de expressar minha admiração por esses queridos companheiros. Falem o que quiserem, berrem até não dar mais, mas desde a vitória de 2002 a única bandeira a ser abafada, a única voz a ser calada é a dos ignorantes e das madames mal amadas.
Vitória da democracia de do povo Brasileiro! Vitória de todos os companheiros!
Vitória reconhecida e merecida!
Porque nós somos uma democracia!

10 comentários:

  1. Lindo depoimento!!!!
    Lindas fotos!!!!
    Continuo emocionado a cada vez que vejo alguém compartilhando de minhas idéias e ideais!

    ResponderExcluir
  2. Diogo Azevedo,
    estou super admirado coms eu depoimento.
    Colocações bem feitas! PARABÉns'

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Para os lunáticos que desacreditam na existencia da democracia, acordem: nós somos uma democracia! Isso mesmo, Mila, não cale sua bandeira!

    ResponderExcluir
  5. Mila,

    adorei!
    é muito bom ver os jovens com esse sentimento, com essa participação e com essa lucidez!

    Sylvia

    ResponderExcluir
  6. Te convido a participar do Amigo da carta. Saiba mais no meu blog www.niselokakablogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Nem Deus nos tira essa vitória!

    ResponderExcluir
  8. Criei um monstro. Viva!

    ResponderExcluir
  9. Te convido a participar do amigo da carta.

    ResponderExcluir
  10. Muito interessante seu depoimento. Além de soar um pouco poético, mostra uma realidade profunda, e uma realidade que desperta admiração. Está de Parabéns!

    ResponderExcluir