sexta-feira, 8 de abril de 2011

7 de Abril de 2011 - O terrorismo no Realengo

O Brasil ainda podia se orgulhar de não ter ações de tamanha barbaridade que acontecia até em então em países do hemisfério norte. Podia, essa realidade mudou, e aterrorizou muita gente.
É bem verdade que a nossa constante guerra civil (e não falo apenas de trafico x policia), mas porque todos estamos sujeitos a cada minuto pela insegurança que ronda o mundo pelas banalidades mais ridículas que se possa imaginar.
O que vimos ontem foi um verdadeiro massacre injustificável do ponto de vista da preservação do direito universal a vida! Um atentado a moral social por um assassino que no final se escreve (por uma carta) como alguém de moral superior; o fazendo pensar em ser alguém intocável por sinal.
É entre essas e outras coisas que me faz pensar o quanto mal faz os extremismos religiosos; e não querendo desmerecer a religião alheia, mas o que vimos ontem ocorrer no Brasil não é muito diferente do atentado de 11 de Setembro.
E não que o islamismo seja composto apenas por mentes terroristas, mas o mundo viu ontem mais uma ação de um radical islâmico, que fundado nas correntes de pensamento extremista dessa religião, tinha como seu alvo principal as alunas; o que para os islâmicos "a mulher vale bem menos que o homem" (Leila Ahmed).

Enquanto o mundo marcha para os avanços femininos, esses povos tendem a se constituir de forma grosseira e retrograda. Como se não saíssem de um contexto histórico condensado em quimeras milenares.
Me revolta esse submissão feminina islâmica, essa admissão imposta de forma a não existirem avanços entre os direitos humanos. O que não deveríamos mais admitir é justamente o pensamento afirmado por Howard Becker, onde os homens simplesmente criam as leis das mulheres, dos negros, dos pobres, dos nativos, dos gays, impondo assim um mundo de homens como casta superior e assim se condensa a crença dessa raça superior dos homens banhados em um egocentrismo testosterônico líquido.
Nossos avanços que demonstre o quanto não se é mais admissível esse tipo de pensamento (antigo/ tradicionalista / mastigado e ultrapassado).

O que vimos ontem no Brasil com muita dor foi um terrorismo de alguém que os psicoprofissionais irão incansavelmente buscar explicações para justificar. Mas que o senso lógico vai colocar como sendo um ato de constituição socio-cultural-religiosa, e que o senso do humanismo (no sentido emotivo de dizer) jamais irá achar explicação além de dizer que é um ato simplesmente injustificável.

2 comentários:

  1. Excelente texto Senadora, parabéns !
    Coloquei o link no meu Blog.

    ResponderExcluir
  2. Francisco Bezerra10 de abril de 2011 04:13

    Muito bem escrito. Esse sentimento de superioridade dos fanáticos religiosos vemos por todos os lados. Sentem-se iluminados por aceitarem o guia espiritual que escolheram a pautar as suas vidas e todos os que não aceitam são os impuros. Quando usam o proselitismo (que já é detestável) como arma ainda são menos ofensivos. O perigo é quando uma mente perturbada é cooptada por uma dessas seitas. O pior é que as mentes perturbadas são bem mais influenciáveis. Ou ainda, como diz meu amigo Hormam, em regra, o fervor religioso é consequência de um grande arrependimento.

    ResponderExcluir